segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Microsoft patenteia o desligamento do computador

Dias atrás, Paul Allen, fundador da Microsoft ao lado de Bill Gates, ficou biruta e processou metade das empresas de tecnologia na gringolândia por causa de uma quebra de patente de um Sistema de Sugestão na rede exatamente como este que usamos abaixo dos posts em Tópicos Relacionados. Já ontem, divulgaram que Microsoft conseguiu patentear, pasmem, o desligamento do computador.

As patentes são algo muito curioso no mundo tecnológico, os gigantes acumulam-nas como tesouros e depois vão utilizá-las em sessões legais que devem parecer a um jogo de Magic, nas quais uma carta/patente vence a outra e assim sucessivamente até que uma empresa ganha da outra e se torna vitoriosa.

São muito curiosas porque em na maioria das ocasiões não fica bem claro como e porque outorgam uma determinada patente a uma companhia. E se há um lugar onde há especialistas na qüestão é em Redmond. Porque nos quartéis da Microsoft acumulam mais patentes que dinheiro no Banco Central.

Agora outorgaram aos criadores do Windows os direitos de propriedade intelectual da patente sobre o desligamento do sistema operacional. Se está revirando de rir ou com cara de OMG de boca aberta, devem lembrar que o desligamento do sistema operacional é algo muito complexo: uma vez que o usuário inicia o processo, o sistema operacional deve checar se há aplicações abertas, tentar fechá-las, avisar ao usuário se não é possível fazê-lo e, ainda que não tenha nenhum problema, deve confirmar com o usuário a importante decisão: Tem certeza que quer desligar o computador?

A patente, creiam ou não, contempla todas estas alternativas e foi pedida pela Microsoft alguns meses antes de que fosse lançado o infame Windows Vista.

Solicitar a patente até não me parece tão absurdo já que esta empresas de tecnologia vivem se peleando por causa delas, o absurdo mesmo é que outorguem a patente.

Recomendação? Não desligue seu computador nunca mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê a sua opinião

FACEBOOK